Gente que veio, gostou e sempre que pode dá uma passadinha por aqui

quinta-feira, 24 de abril de 2014

353) Pulsante

Foto Luisana Gontijo



Semeava umas coisinhas miúdas
que traduziam suas formas,
suas rimas, suas cores, seus jeitos...
Mesmo pequeninas,
tinha esperança de que fossem vistas,
porque eram de uma pequenez
recheada de amor,
que teimava em espalhar,
da sua forma vagarosa,
nas suas minúcias despercebidas,
às vezes.
Alguém haveria de enxergá-las,
de apreciá-las até,
de querer cuidá-las,
quem sabe?
Mais que acreditar,
tratava-se de sentir
que é possível o encontro
das coisas simples,
das crenças guardadas
onde o olhar brilha,
onde as borboletas pousam no estômago,
onde a vida arde com paixão.

domingo, 20 de outubro de 2013

352) O que é meu

Fachada de casa de 1907, na Rua Aimorés, em Belo Horizonte - Foto Lugoca



O bicho era meu.
Não havia quem pudesse com ele.
E não era daqueles que pegava
Ou que comia
Daqueles que lhe dava a opção
De correr
Ou de ficar.
O bicho estraçalhava.
Secava com um olhar
De quem desvenda almas,
De quem fulmina flores,
E desconhece cores.
Ignorava vento na pele,
Toque nos pelos,
Umidade nos lábios
Desejo, vontade, gana.
Invadia, me invadia.
E corria cada canto meu,
Como se dono fosse.

domingo, 23 de setembro de 2012

351) Recomeçar


Montanhas de Lavras Novas, distrito de Ouro Preto (MG) - Foto Lugoca


Queria ter tocado aquelas cores,
o azul lá do alto,
o verde do lado,
o vermelho, macio, doce,
E ter escrito aqueles versos
que me pareciam ter saído de mim,
de um lugar que esqueci,
adormecido,
que abandonei à própria sorte
e ninguém observou,
ninguém sentiu,
ninguém tocou.
Queria ter sentido antes tudo isso,
mas nada disso existia.
Há um segundo,
outros sentimentos me ocupavam,
outras emoções me arrepiavam,
outras vontades me tomavam.
Queria recomeçar,
como a chuva,
o sol,
a lua,
o dia,
a noite...
E tudo o mais que,
ainda que não voe
e pouse em segurança,
sonhe infinitamente.


segunda-feira, 26 de março de 2012

350) Paz


No Topo do Mundo, em Brumadinho, Região Metropolitana de BH - Foto Lugoca

 ugoca

Viva por inteiro.
Não ponha só pedaços seus
em nada que faça.
Não se arrependa
de ter sido intenso,
verdadeiro.
Entre em tudo
como se fosse eterno.
Persista no que acredita.
As coisas boas são lapidadas,
são feitas de cuidado,
com o tempo,
com carinho.
A vida requer persistência.
O amor requer persistência.
Uma persistência leve,
que é parte de viver.


terça-feira, 6 de março de 2012

349) Dentro de mim

Arraial do Cabo, litoral do Rio, no carnaval deste ano - Foto Lugoca


'Carpe diem',
que este minuto já se vai
e nem sei se aprendi
o que me fará mais feliz.

Que meus olhos me permitam
ver com mais doçura,
sempre,
o que guarda cada olhar...

E que este furacão
aqui dentro
só me mova
a caminho do bem.




segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

348) Mil

A caminho de Casa Branca, distrito de Brumadinho (MG) - Foto Lugoca
Foto Lugoca

Quando divido,
me multiplico.




sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

347) Tudo

Festa de São João no Pelourinho, em Salvador (BA) - Foto Lugoca



Vontade de ser feliz
é como brisa,
espalhada por aí,
multiplicada no vento...
Em dimensões desconhecidas,
sem eira nem beira...
Invade,
se apossa,
toma gosto,
vai ficando,
se moldando a você,
ao seu jeito,
suas coisas,
formas,
cores,
escolhas.
 
Vontade de ser feliz
é como luz,
iluminando tudo:
olhos,
risos
e caminhos.
 


quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

346) Acreditar sempre


Mina e Mel, anjos na minha vida - Fotos: Lugoca


Existem, sim,
olhares sinceros,
intenções verdadeiras,
esperança no amor,
calmaria no abraço,
aconchego na amizade,
luz no fim do túnel...
Nunca é demais acreditar.
Se está vivo, 
é passível de espalhar doçura
e distribuir mais calor
que dor.
Eu creio!


P.S.: Um lindo 2012 a todos vocês que visitam este blog com carinho!

domingo, 18 de setembro de 2011

345) Digital


Em Gramado, na Serra Gaúcha (RS) - Foto LugocaFoto Lugoca


Eu sempre quis
uma verdade leve,
que rasgasse
estradas e mapas
e desfizesse dúvidas,
pra não deixar resquícios
do que não fosse bom.
Algo que parecesse flores
ou as cores todas de que gosto,
pra distribuir ao mundo
e conquistá-lo por inteiro.
Sem máscaras.
Conquista possível,
em que as minhas marcas,
de riso e dor,
abrissem caminho,
feito digital,
feito verdade leve.



 

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

344) Por um triz

Búzios (RJ), meu xodó, sempre! Êta paraíso! Foto Lugoca


O bem que eu quero,
se não enxergas,
não é invisível.
Tem a cor destas íris,
transparência de brisa,
coração a reboque,
acionado no toque
sútil das respirações,
no desejo desenfreado
de ser feliz.
Que seja por um triz.




quinta-feira, 7 de julho de 2011

343) Canção pra viver agora

Mirante do Parque Estadual do Rola Moça, rumo a Casa Branca, distrito de Brumadinho - Foto Lugocaca


Às vezes,
meu amor
é explosão 'furta-cor',
ao passo que doa, doa e doa
o que exala do Sol,
do mar,
do ar,
do seu olhar,
do que vingar
entre as sementes
que caíram,
resistiram
e semearão
girassóis,
rasgando a terra
com vontade,
pelo tempo exato
que dura cada coisa.



sexta-feira, 27 de maio de 2011

342) Sempre


                A lua, linda, sobre a Orla Bardô, em Búzios (RJ) - Foto LugocaFoto 


Ao caminhar por essas trilhas,
abandonei o
medo de acreditar
que há plenitude aqui dentro,
que diferenças se encaixam,
que desafio se enfrenta,
que não há mal maior que enganar a si mesmo
e alegria não se dosa.

 
 
 

domingo, 15 de maio de 2011

341) Vem


    Por do Sol no Topo do Mundo, em Brumadinho, Região Metropolitana de BH - Foto Lugocaca



Aquece o ninho
com seu riso
e faz do meu abraço dia a dia,
do meu beijo companhia
– nas horas doces ou vazias.
Vem ser meu par,
meu ar
– n'algum momento
em que se perca em mim –
meu mar
de brincadeiras,
de delícias,
verdades inteiras,
longas caminhadas
pela estrada afora
– pra dentro de nós.



sexta-feira, 15 de abril de 2011

340) Divagações


O alvo era a Lua, na tarde de hoje, sobre o 'Viaduto de Santa Tereza', em Belo Horizonte

Foto Lugoca


Lábios doces,
vorazes,
afoitos,
desvendam mistérios
da pele,
que anseia por eles,
se unta em seu néctar,
relaxa poros
no toque faminto.
Mergulham,
macios,
molhados,
entre seios,
já enlouquecidos,
e umidecem
tudo o mais
que se arrepia
pela frente.





terça-feira, 12 de abril de 2011

339) Querer

Foto Lugoca




Desejo é como nuvem,
assim como os lampejos
das paixões sem amor
e os beijos roubados
a esmo.
Como vapor,
como frio
e calor.
Como arrepio,
no roçar
involuntário,
na invasão
desesperada...
Desejos,
como nuvens,
se dissipam,
se perdem,
se disfarçam,
evaporam...
Vez ou outra,
desejos
levam ao amor.